• Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Pinterest
  • Youtube
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure

print

Fotografia: Julien Fernandez 
25 / 05 / 2021
Atentos aos mais pequenos detalhes do quotidiano e detentores de uma criatividade melódica e depurada, Justine e Jean Hay de Slade compõem vasos, candeeiros ou delicadas obras de arte, recorrendo ao grés e à porcelana, à Natureza e à simplicidade.  
É a partir do seu atelier em Charente-Maritime, no sudoeste francês, que a fundadora da Epure nos dá a conhecer um pouco mais do seu universo criativo, revelando um exercício sobre o tempo e a imperfeição.

Como nasce a paixão pela cerâmica e pelo artesanato?
Comecei há dez anos sozinha e o Jean juntou-se há cerca de seis. Criei a Epure mais para assinar as minhas peças; nunca pensei que se fosse tornar numa marca. Comecei porque gostava de trabalhar com as mãos, do lado criativo, e rapidamente percebi que não poderia fazer outra coisa. A liberdade de acção e o poder de decisão que exige este tipo de trabalho são inspiradores mas também cansativos, pois sendo também uma paixão deixamo-nos absorver por completo e começamos a viver só para isso.


Como procura imprimir verdade nas peças que assina?
Quero sobretudo aproximar-me da minha essência, realçando aquilo que me anima, que me comove, que me toca. Ser eu própria no momento da criação e saber ouvir os meus sentidos. Tudo me inspira: os meus encontros, as minhas experiências, o lugar onde vivo, os meus passeios. A inspiração pode chegar do líquen quando caminho, de um quadro de um museu, da cor de um legume, das plumas de um pássaro. 
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
O que mais a fascina no trabalho com o grés e a porcelana Limoges?
Comecei a trabalhar a terra nos meus primeiros cursos e tenho um enorme carinho pela porcelana. A sua doçura, fragilidade e brancura maravilhosa que, ao mesmo tempo, possui um grande carácter e resistência. Dizemos que a porcelana é caprichosa quando a trabalhamos: não é um tipo de terra evidente, gosto da ideia de ser aparentemente lisa mas complexa. Quanto ao grés, gosto do seu lado mais bruto, sinto-me atraída pelo chamotte e pelo seu aspecto enrugado. O toque é particular e o trabalho diferente, mas essa mudança agrada-me. Aliás, neste momento estou a criar peças pretas em chamotte.
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
  • Justine & Jean Hay de Slade - Epure
Para mais informações, visite o website Epure Céramique.
close

Subscreva a nossa Newsletter, para estar a par de todas as novidades da nossa edição impressa e digital.