"No Entulho" by Otiima Artworks

14 / 05 / 2018
Um projecto da Otiima.
Mais informações: www.otiimaartworks.com/no-entulho 
"Bom Caminho Errado" é o mote para a segunda mostra criativa do programa de residências artísticas "No Entulho", uma iniciativa da OTIIMA ArtWorks que visa proporcionar a pesquisa, a partilha e a produção artística desenvolvida nas instalações da empresa. Para coordenadora artística do projecto, Ana Brito, o mais importante traduz-se na "oportunidade dos residentes trabalharem num atelier com características únicas, áreas amplas de trabalho, acesso a maquinaria, ferramentas e materiais inutilizáveis" mas, sobretudo, "em constante colaboração com uma equipa variada e especializada".

Com a duração aproximada de dois meses, num total de cinco residências por ano, o departamento criativo da Otiima convida artistas a intervir, criar ou modificar materiais inutilizáveis e resultantes dos desperdícios da produção industrial da empresa, dos quais se destacam o ferro, o aço, o vidro ou o alumínio. Os artistas Jérémy Pajeanc, Rafael Yaluff e Tiago Madaleno foram os primeiros este ano a assinar as residências: Jérémy focou-se sobretudo nas qualidades naturais dos materiais para abordar a temática do campo de refugiados de Calais; Rafael desafiou-se a construir uma "máquina de karaoke" e Tiago trouxe um projecto já em curso no qual concretizou um coreto dedicado a Natália de Andrade. E por isso mesmo, Tiago reconhece os benefícios de trabalhar neste contexto: "o contacto com engenheiros, arquitectos e trabalhadores especializados em serralharia, que me podiam ajudar a solucionar todos os problemas em torno do projecto é, sem dúvida, a principal valência".
 
No final de cada residência, cabe aos artistas apresentar o trabalho dos últimos dois meses. Para já, "evocar a música como grande evento" e "apelar à causa migratória" foram as principais preocupações dos artistas residentes, e, para Rafael Yaluff, o contexto é determinante ao seu impacto: "ter artistas a promover exposições no local de trabalho é a forma mais eficaz de levar a arte à vida quotidiana pois os visitantes mais importantes da exposição, os trabalhadores, são também os criadores, e por isso o impacto na vida dessa comunidade será certamente mais profundo."

A abertura de novas possibilidades a jovens artistas, enquadrados no meio industrial e acompanhados por uma equipa especializada, é o principal objectivo do projecto, que prevê para o final do ano uma exposição que engloba todas as obras participantes.