Uniplaces Headquarters

by PARALELO ZERO Architectura
21 / 08 / 2016
PARALELO ZERO Architectura
www.paralelozero.pt 
Localizado no coração da cidade de Lisboa, na emblemática estação de caminhos de ferro do Rossio, este projecto foi concebido para a Uniplaces, uma empresa jovem, internacional e dinâmica que se afirma no mercado global de arrendamento de casas para estudantes.
Foram estabelecidas duas linhas de acção: Uma referente à estratégia de ocupação do espaço, de maneira a maximizar a performance de trabalho, e outra relativa ao carácter do espaço, na sua capacidade de representar os valores e cultura da empresa e na sua integração com o meio arquitectónico envolvente.
No que respeita à funcionalidade das áreas de escritórios, partiu-se do princípio que o trabalho em open-space seria o mais adequado para a Uniplaces. A comunicação entre os diferentes departamentos que a constituem é reforçada através da criação de um espaço de trabalho com o mínimo de divisórias possíveis. O equilíbrio da relação individuo/colectivo é conseguido através da criação no open-space de espaços de recolhimento. Assim, espaços de pequena escala são distribuídos estrategicamente, seja através de elementos fixos, como a biblioteca e as salas de reuniões semi-abertas, seja através de mobiliário móvel, como é o caso das pequenas estruturas destinadas à realização de skype-calls.
Uma das grandes problemáticas associadas à natureza deste tipo de empresas (start-up) é o crescimento exponencial e repentino do seu número de trabalhadores. Para o efeito, a estruturação evolutiva do espaço e  a capacidade de algumas áreas funcionais se adaptarem a diferentes programas (recreativo versus zona de trabalho) foi um factor fundamental na concepção do projecto.  
Considerou-se ainda que este seria um escritório para trabalhadores itinerantes. O espaço de trabalho não está confinado à secretária e passa a englobar todo o conjunto de áreas complementares destinadas à descontração e ao lazer. O objectivo foi estimular a comunicação e interação entre os trabalhadores e também  tornar o dia de trabalho menos exaustivo, pela mudança de ambiente e pelo dinamismo criado.  
Relativamente ao carácter do espaço propôs-se transmitir a identidade da Uniplaces através da criação de um ambiente ousado, jovem e acima de tudo acolhedor. Consequentemente criaram-se espaços estáticos como a sala de estar, o jardim de inverno, o canto de leitura (biblioteca) e em complemento, sistemas dinâmicos, inovadores e desafiantes na experiencia de utilização, como é o caso da extensão horizontal da mezanine em estrutura de rede suspensa. 
Adicionalmente procurou-se interligar arquitetonicamente o espaço de escritórios com o contexto envolvente. O edifício da estação de comboios do rossio, onde os escritórios se inserem é um dos grandes exemplos da traça neo-manuelina. Neste estilo a evocação às grandes viagens dos descobrimentos é recorrente. Elementos como cordas de navios e esferas armilares compõem as fachadas. Fazendo um paralelismo, utiliza-se a rede de corda como material de composição arquitectónica em diversas áreas no escritório. A rede, devido ao seu carácter efémero transmite o ambiente jovem e dinâmico desejado.
Por último, na perspectiva de reforçar o romantismo associado a este edifício, propôs-se a criação de um jardim de inverno no coração dos escritórios. Este recanto  luminoso, contextualiza os imponentes arcos em cantaria de pedra e torna-se a principal ponte visual com praça urbana exterior que lhe é adjacente.